Fitch afirma ratings da Enel e subsidiárias com Perspectiva Estável

Análise aponta indicadores financeiros robustos, baixa alavancagem e forte perfil de liquidez, apesar dos elevados investimentos e a distribuição de dividendos mais altos pressionarem o fluxo de caixa livre (FCF).

A agência de classificação de risco Fitch Ratings afirmou o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra)’ da Enel Brasil e de suas subsidiárias Ampla Energia, Coelce, Enel Distribuição São Paulo, Celg Distribuição e Enel Green Power Volta Grande, todas com Perspectiva Estável.

As avaliações refletem os fortes vínculos legais, estratégicos e operacionais entre o grupo no país e sua acionista controladora, principalmente pela inclusão da companhia e de algumas de suas subsidiárias nas cláusulas de inadimplência cruzada da dívida no âmbito do grupo controlador, Enel Américas.

De acordo com a Fitch, a holding tem histórico de concessão de empréstimos mútuos substanciais, aumentos de capital e garantias de dívidas prestadas às subsidiárias brasileiras, o que vem sustentando o plano de crescimento e melhorando sua flexibilidade financeira.

Em base individual, o perfil de crédito consolidado da Enel Brasil incorpora moderado risco de negócios, proveniente de suas operações no segmento de distribuição e de sua forte posição no mercado como um dos maiores grupos privados do setor de energia elétrica nacional.

Sua base de ativos é vista como diversificada e conta com quatro concessões de distribuição, três usinas de geração e duas linhas de transmissão, o que contribui para a diluição dos riscos operacionais, mais presentes para as distribuidoras, indica a agência, que também acredita que a empresa manterá indicadores financeiros robustos, com baixa alavancagem e forte perfil de liquidez, apesar dos elevados investimentos e a distribuição de dividendos mais altos pressionarem o fluxo de caixa livre (FCF).

Por fim, a análise aponta que se o vínculo com o controlador enfraquecer, e/ou se houver alguma deterioração em seu perfil de crédito, os ratings em escala nacional da companhia e de suas subsidiárias não seriam pressionados, o que sustenta a Perspectiva Estável das classificações.