Copel GT investe em solução que prevê geração de parques eólicos

Uso de inteligência artificial vai auxiliar no planejamento e no aumento de ganhos

Copel GT concluiu este mês a implantação do software WindFor para previsão de geração eólica. Usando inteligência artificial, a ferramenta vai indicar com antecedência de até 12 dias quanta energia poderá ser produzida pelos 264 aerogeradores que somam 590,5 MW de potência instalada nos quatro complexos que a empresa opera no Rio Grande do Norte. Essas previsões precisas e antecipadas vão ajudar no planejamento da operação para aumentar os ganhos com essa fonte e subsidiar a programação de paradas de máquinas para manutenção em períodos menos favoráveis para a geração de eletricidade.

A novidade é parte de um plano mais amplo de gestão integrada do desempenho dos ativos de geração eólica da Companhia. O projeto vai absorver R$ 2,2 milhões em investimentos e prevê a adoção de três ferramentas independentes, mas que serão usadas de maneira integrada. A primeira é um software usado na avaliação de escoamento de vento para projetos de parques eólicos, em uso na Copel desde outubro de 2019. A segunda refere-se à recém concluída adoção do WindFor implantado pelas empresas EMD Brasil e Enfor.  A terceira ferramenta é uma plataforma online de avaliação e gerenciamento de desempenho de aerogeradores e parques eólicos em tempo real – que deve começar a ser usada para os complexos Brisa Potiguar e São Bento ainda em outubro deste ano. Os complexos Cutia e Bento Miguel serão contemplados em 2021.

De acordo com o diretor de Operação e Manutenção da Copel GT, Thadeu Silva, a gestão de ativos eólicos deve ser baseada em três grandes pilares: disponibilidade dos aerogeradores, disponibilidade do conjunto de redes, linhas e subestações e taxa de conversão do recurso eólico em energia elétrica. Para ele, a tecnologia adquirida nesse projeto suportará as análises da Copel e fará com que os ativos possam operar sempre em seu ponto ótimo. A meta da Copel é colocar seus parques entre os melhores em termos de fator de capacidade.

Todo esse sistema vai coletar dados diretamente dos servidores das usinas eólicas, que estarão sob monitoramento constante, gerando relatórios em tempo real. A mudança aumenta a confiabilidade e a agilidade na tomada de decisão a respeito da operação dos parques. “Com isso, eliminamos o trabalho manual e repetitivo de coleta e registro de informações em planilhas que levam dias para serem analisadas e consolidadas”, explica a gestora do contrato pela Copel, Juliana Pinheiro de Lima. “Além disso, será possível verificar se o desempenho obtido por cada um dos aerogeradores está de acordo com o que foi projetado”, completa.