Energisa conecta UFVs e anuncia soluções para o agronegócio em MG

Subsidiária Alsol instala usinas em Iraí de Minas e Piumhi e anuncia parceria com o Banco Inter e soluções de armazenamento, eficiência e ioT conectados a mobilidade elétrica

O Grupo Energisa inaugurou nesta segunda-feira, 16 de novembro, duas usinas fotovoltaicas nos municípios de Iraí de Minas e Piumhi, ambos em Minas Gerais e totalizando 6.480 mil placas solares gerando energia suficiente para abastecer 6 mil residências, informa a subsidiária Alsol Energias Renováveis, que soma R$ 100 milhões investidos em novas UFVs no estado em 2020.

Segundo a companhia, a energia produzida pelas novas fazendas solares será consumida principalmente por micro, pequenas e médias empresas de segmentos como comércio e serviços. Neste modelo da Alsol, que realiza todos os investimentos e comercializa as cotas de energia solar, as MPMEs podem ter descontos de aproximadamente 20% na conta de luz.

Outra possibilidade é voltada aos consumidores residenciais, por meio de uma parceria da empresa com o Banco Inter, no qual os correntistas da plataforma do banco que residam em Minas Gerais podem contratar o serviço de forma 100% digital. Neste modelo, a quantidade de energia solar fornecida é abatida do total consumido, o que proporciona a redução no valor total da conta.

A UFV fica ao lado da principal subestação da rede de distribuição de energia da cidade e muito próxima a uma cooperativa agrícola, o que contribui para um melhor fornecimento na região. Somados aos quatro projetos solares erguidos este ano em Uberlândia (Jardim II, Capim Branco III, Santa Rosa e Granja Marileusa I), a companhia totaliza aproximadamente 26 MWp de capacidade instalada, o que equivaleria ao consumo de 26 mil residências.

Soluções para o agronegócio e eletromobilidade – O vice-presidente de Geração, Transmissão e Serviços da Energisa, Geraldo Mota, acrescentou que a iniciativa também contempla soluções em diferentes segmentos da energia, mesclando tecnologias que aplicam na prática o conceito de energia 4.0, nesse caso englobando geração por fontes renováveis distribuída com armazenamento por baterias, além de eficiência energética e internet das coisas (IoT) integrados com mobilidade elétrica.

Em uma fazenda do Grupo Fienile, também em Iraí de Minas, foi construído um sistema fotovoltaico com armazenamento em baterias que também abastecem um sistema de iluminação artificial via LEDs de alta potência acoplados a um pivô de irrigação.

“Com a energia armazenada, é possível manter ligadas de forma estável as lâmpadas que simulam a luz do sol durante à noite ou em ocasiões com baixa disponibilidade de luz natural, o que estimula a fotossíntese nas plantas e seu desenvolvimento, ajudando a aumentar a produtividade das lavouras em até 50%”, explica o fundador e diretor de tecnologia da Alsol, Gustavo Malagoli Buiatti.

A fazenda solar também é o quarto ponto de recarga de veículos elétricos que a empresa implanta neste ano, e a exemplo da planta Granja Marileusa I, inaugurada em setembro na cidade de Uberlândia, também será abastecido exclusivamente com fonte solar.

A iniciativa integra o projeto MoovAlsol, de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) do Grupo Energisa em parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), fomentado pela Aneel e a ser executado pela Alsol nos próximos três anos, com previsão de R$ 30 milhões de investimentos.