P&D da Cemig estuda ictiofauna em reservatórios de UHEs

Projeto em execução tem orçamento de R$ 5 milhões e deve ser finalizado no fim de 2022

A Cemig desenvolve um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento com o objetivo de gerar metodologias replicáveis e confiáveis para diagnóstico, monitoramento e priorização de áreas para a conservação de peixes em bacias hidrográficas já barradas, a partir da integração de técnicas inovadoras no Brasil. Trata-se do “P&D GT-0612 – Importância de trechos de rios livres para o contexto ambiental em regiões de barramento: integrando novas tecnologias para estudo da ictiofauna”. A iniciativa foi proposta pela Cemig com contrapartida da Fundação Científico Cultural, dentro do programa de P&D regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica.

O projeto, ainda em execução, foi iniciado no ano de 2018, com previsão de finalização em dezembro de 2022, e tem como executora a Universidade Federal de Lavras. O custo total é da ordem de R$ 5 milhões, financiados pela Cemig por meio de recursos do programa de P&D regulado pela Aneel.

A área de estudo do projeto são as usinas de Camargos e Itutinga, no Rio Grande, e o trecho de rio livre a montante do reservatório de Três Marias, no Alto São Francisco. De acordo com a analista de ictiologia e gerente do projeto pela Cemig, Raquel Coelho Loures, os estudos são conduzidos por meio de duas técnicas ainda pouco utilizadas no Brasil: a marcação de peixes por telemetria e a ecossondagem.  O projeto também  propõe a criação de uma ferramenta computacional para armazenamento e gerenciamento de banco de dados da ictiofauna coletada em reservatórios do grupo Cemig.

Entre os principais resultados esperados com a execução do projeto, estão uma maior compreensão dos impactos das hidrelétricas sobre os peixes, subsidiando a proposta de medidas mitigadoras mais eficientes. Espera-se ainda a construção de metodologias replicáveis em processos internos da Cemig e a validação de técnicas que permitirão maior agilidade nas avaliações das respostas ecológicas de peixes em ambientes de reservatório; além de melhorias nos programas de monitoramento desses peixes. Até o momento o principal produto do projeto foi a dissertação de mestrado intitulada “Distribuição sazonal de peixes ao longo de rios não barrados até reservatórios em cascata”.

Segundo Raquel Loures, os resultados desse estudo permitiram concluir que os trechos de rios livres possuem um papel ecológico importante na estruturação da fauna de peixes, e que as regiões de rio e de transição possuem grande relevância na manutenção da riqueza de peixes nativos.