‘Lei do gás’ do Amazonas pode beneficiar Eneva

Lei quebra monopólio na distribuição do insumo no estado

A ‘lei do gás’ aprovada pela Assembleia Legislativa do Amazonas na última quarta-feira, 10 de março, terá um impacto positivo para a Eneva. Em teleconferência realizado nesta quinta-feira, 11 de março, o  diretor de operações da empresa, Lino Cançado, revelou que o campo de Azulão, que já tem reservas certificadas maiores que o necessário para atender Jaguatirica, libera a Eneva para atender consumidores livres. “Existe ainda possibilidade de comercialização de gás adicional de reservas de gás de Urucu e até mesmo de Juruá”, explica o executivo.

A lei da Aleam permite a quebra do monopólio da distribuição do gás natural no estado. Há uma clara divisão entre a atividade de distribuição e  comercialização do insumo, liberando os agentes para que possam vender o gás sob qualquer forma de distribuição. Projetos fora da malha dutoviária, com GNL, não ficarão sob monopólio da distribuidora. Os projetos gas to power, como os Eneva, não estarão sujeitos ao monopólio da distribuidora. Ainda de acordo com o executivo, essa lei se aproxima das aplicadas nos estados do Sergipe e Espírito Santo, considerado por Cançado o que há de mais moderno no país.

Quanto a leilões de energia e aquisições, a Eneva ainda avalia projetos e eventuais parcerias e oportunidades, mas sem nada concreto para anunciar ao mercado.