RGE pretende investir R$ 5 bilhões até 2025

Distribuidora teve aporte recorde de R$ 963 milhões em 2020 e reduziu em mais de 3 horas o índice DEC

Com um aporte de R$ 963 milhões, a RGE (RS) atingiu em 2020 o maior volume de recursos de toda a sua história, subindo 9% em relação ao ano anterior. O montante foi aplicado em obras de grande porte, como construção e ampliação de subestações e linhas de transmissão, instalação de equipamentos, substituição de postes, construção de circuitos alimentadores e redes de baixa tensão, capacitação e formação de novos eletricistas e projetistas, além da digitalização e melhoria dos sistemas de pagamento da fatura, entre outras ações de menor porte.

O diretor-presidente da companhia, Marco Antônio Villela de Abreu, destaca como um dos principais resultados dos investimentos a melhoria de um dos indicadores mais importantes do setor elétrico, o DEC – Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora, que mede o tempo médio que cada cliente fica sem fornecimento de energia ao longo de um ano.

“Tivemos uma redução de mais de 3 horas do DEC, saindo de 14,01 em 2019 para 10,83 em 2020, o que é altamente positivo e coloca a RGE dentro dos padrões exigidos pela Aneel, reduzindo os transtornos aos nossos clientes”, ressalta Villela, afirmando que a projeção até 2025 é aplicar R$ 1 bilhão por ano para fazer frente aos desafios da concessão, que vem sofrendo com a intensidade e frequência dos temporais.

Outro indicador que teve significativa melhora no ano passado foi o FEC – Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora, que avalia o número de vezes que o consumidor fica sem eletricidade ao longo de 360 dias. Nesse caso a média caiu de 6,25 em 2019 para 5,27 vezes em 2020, avanço de quase 16%.

A maior parte dos recursos foram direcionados em obras e ampliação do sistema elétrico nos 381 municípios atendidos pela distribuidora, com 146.400 obras iniciadas e finalizadas, sendo nove ampliações de subestação, com incremento de 41,5 MVA de potência, além de mais 20 km de linhas de distribuição, 18 circuitos alimentadores e novas fontes de alimentação em 27 cidades.

Ao todo foram 526 religadores automáticos instalados no período, chegando a 4.647 equipamentos em toda a rede. Os aparelhos são operados remotamente pelo Centro de Operações Integrado (COI) e permitem que a energia seja restabelecida em um curto espaço de tempo, quando a interrupção ocorre sem danos físicos na rede, que teve 21 mil km modernizados, com troca de fios comuns por rede compacta e protegida.

Ampliações de nove subestações representaram incremento de 41,5 MVA de potência para a rede (RGE)

Eficiência Energética e outros investimentos – No ano em que a saúde esteve em pauta, a concessionária lançou o Projeto RGE nos Hospitais, reservando R$ 13 milhões para instalação de usinas fotovoltaicas e troca de lâmpadas para tecnologia mais eficiente em 38 hospitais públicos e entidades filantrópicas. Até o final deste ano, a empresa estima investir mais R$ 29 milhões na eficientização de mais hospitais, por meio do seu Programa de Eficiência Energética, regulado pela Aneel.

Outra frente esteve ao lado das comunidades por meio dos projetos de Baixa Renda, Comércio e Serviços, Educacional, Iluminação Pública, Industrial, Plano de Gestão, Poder Público, Residencial e Serviços, que somaram juntos R$ 38 milhões em ações para combater o desperdício de energia elétrica a partir da mudança de atitudes.

Quanto ao combate de fraudes e furtos de energia elétrica, a concessionária inspecionou 145.287 GWh e teve uma recuperação de 283,9 GWh.

A RGE também renovou fortemente a sua frota de veículos nos últimos quatro anos, aplicando R$ 86 milhões para troca de 77% de seus veículos, com aquisição de 1.037, incluindo caminhões e camionetes, mas sem mencionar veículos elétricos.

Para capacitar pessoas da comunidade a atuarem na empresa na função de eletricistas foram realizados cursos para 30 turmas nas cidades de Canoas, Caxias do Sul, Erechim, Uruguaiana, Venâncio Aires, Santa Maria e Santo Ângelo, chegando a um total de 448 alunos capacitados e 237 contratados pela companhia. Já pensando na elaboração de projetos de rede de distribuição, a Escola de Projetistas recebeu 279 inscritos, sendo selecionadas 28 pessoas para o curso em parceria com a FTEC.

Por sua vez a área de atendimento registrou 82% das chamadas dos clientes vindo pelos canais digitais da companhia, fechando o ano com 844.541 contas enviadas em formato digital. As novas plataformas garantem comodidade, disponibilizando de forma virtual 30 serviços e procedimentos que antes exigiam o comparecimento nas agências ou eram limitados às ligações para o 0800, sobretudo num contexto de pandemia que ainda perdura.