Ocorrências em subestações interrompem 690 MW pelo país

Desligamentos afetaram cargas da Amazonas Energia, Celpe, Energisa Paraíba e Celesc

Na manhã da última terça-feira, 4 de maio, o desligamento automático do sistema de transformação em 230/69 kV da subestação Mauá III (AM) provocou a interrupção de 456 MW da Amazonas Energia às 09:26 horas em Manaus, informa o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)

De acordo com o Operador, a SE passava por uma intervenção de complementação do gás SF6 (Hexafluoreto de enxofre) em um disjuntor do seu quarto transformador em 138/69 kV e com atuação do relé 50BF. A recomposição total da rede foi concluída em 40 minutos.

Já na parte da tarde, às 15:22 horas, o desarme do barramento de 138 kV da subestação Bom Nome (PE), da Chesf, cortou 113 MW de cargas da Celpe e da Energisa em parte do interior do Pernambuco e Paraíba. O restabelecimento do sistema demorou 3 horas e 11 minutos.

O boletim diário do ONS também registrou o desligamento total do setor de 138 kV das subestações Canoinhas e Mafra às 15:35 horas, verificando corte de 121 MW de cargas da Celesc no Planalto Norte Catarinense, e um tempo total de recomposição em 42 minutos.