Enel SP avança no uso de drones para inspeção subterrânea

Tecnologia vai permitir agilidade e precisão, com segurança para eletricistas

A Enel SP está investindo no uso de drone para inspecionar a sua rede de distribuição subterrânea. Trata-se de uma tecnologia inovadora entre as concessionárias do setor elétrico brasileiro e irá permitir à companhia executar a atividade com mais agilidade, segurança e precisão por seus eletricistas.

Atualmente, a distribuidora possui 10,7 mil estruturas que dão acesso à rede subterrânea, conhecidas como caixas. Nestes locais, eletricistas realizam regularmente inspeções visuais e instrumentais, que incluem termografias e medições elétricas e de gases, para garantir a segurança e o pleno funcionamento das instalações. Esses espaços são confinados e repletos de transformadores e chaves, o que torna o trabalho complexo e exige treinamentos específicos e reciclagens anuais.

Os procedimentos de segurança para acesso às caixas envolvem a instalação de tripés para içamento dos operadores, garantindo a rápida remoção do ambiente em caso de problemas, e o uso de um detector de gases. A cada três anos, a distribuidora precisa varrer 100% dos transformadores de sua rede subterrânea e periodicamente verificar também os demais ativos para realização da manutenção. Com a utilização de drone, a expectativa é executar essa atividade em menos tempo que o habitual, o que mostra que o equipamento traz ganhos de produtividade ao reduzir o tempo de preparação e execução das atividades.

De acordo com o responsável pela área de Tecnologia de Rede da Enel Brasil, Bruno Cecchett, o uso do drone traz mais segurança para os eletricistas e permite que o trabalho de inspeção da rede subterrânea seja executado de forma mais rápida, com a análise das imagens em tempo real. Segundo ele, isso se reflete na qualidade do fornecimento de energia aos clientes, com a melhora nos indicadores de continuidade do serviço.

Enquanto a inspeção tradicional da rede subterrânea exige o envolvimento de três eletricistas, a operação e manuseio do drone exige o envolvimento de apenas dois profissionais. As condições identificadas dentro das caixas são registradas por uma câmera 4k para análise em campo e encaminhadas posteriormente para a área de backoffice da distribuidora, para eventuais ações de manutenção. O equipamento gera um vídeo de toda a inspeção, que pode ser consultado para uma análise adicional, sem que exista a necessidade de entrar novamente no espaço.

A Enel SP e a empresa suíça Flyability trabalharam no desenvolvimento do projeto, que adaptou o drone para voar em espaços confinados. O equipamento é protegido por uma estrutura esférica de proteção, evitando que choques contra as paredes e quedas danifiquem o drone e as suas câmeras. Ainda que haja necessidade de retirada prévia de água das caixas, uma vez que o equipamento não é à prova de água, a tecnologia foi bem-recebida pela área de operação e manutenção da concessionária paulista.

Os primeiros testes do novo drone foram realizados no bairro da Vila Olímpia, zona sul da capital, e faz parte do conjunto de ações do projeto Urban Futurability, que tem desenvolvido mais de 40 iniciativas para transformar a região em um bairro digital e sustentável. A Avenida Paulista e a Alameda Santos, no centro da cidade, também contaram com os testes do drone. O projeto do drone é financiado com recursos do Programa de Pesquisa & Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica.

A segunda fase do projeto, prevista para ser iniciada ainda no primeiro semestre desse ano, será composta por treinamentos para que os eletricistas aprendam a operar adequadamente os drones, além de processar e extrair dados do equipamento. O investimento realizado até o momento no projeto do drone subterrâneo gira em torno de R$ 380 mil.

Para conhecer mais detalhes sobre o drone, veja o vídeo do projeto nas redes socias da Enel