Energia de Angra terá aumento de 40%, chegando a R$ 349,15/MWh

Reajuste das nucleares terá impacto médio estimado pela Aneel de 0,75% nos processos tarifários das distribuidoras em 2022

As tarifas das usinas nucleares Angra 1 e 2 terão aumento de 39,86% a partir de janeiro, passando de R$ 249,64/MWh para R$ 349,15/MWh. O reajuste vai ajudar a pressionar as tarifas das distribuidoras cotistas dos empreendimentos em 2022, com impacto tarifário médio estimado de 0,75%.

A receita de venda da energia das usinas para o ano que vem será de R$ 4,672 bilhões. Os valores foram homologados pela Agência Nacional de Energia Elétrica nesta terça-feira, 14 de dezembro.

Um dos itens de peso foi o aumento de 37,38% no combustível nuclear, que contribuiu com  9,o3% de aumento na receita de venda. Foi incluída também uma parcela de ajuste referente ao combustível de R$ 88,3 milhões.

Já o fundo de descomissionamento das usinas, cujos recursos são calculados em dólar, aumentou 25,66% passando de R$ 1,3 para R$ 1,6 bilhão. Esse aumento veio como consequência da aprovação de um novo plano preliminar de desmobilização das usinas, após o termino de vida útil.

O diretor Hélvio Guerra explicou que é preciso arrecadar os recursos necessários para a desmobilização, considerando a data de vencimento das outorgas, especialmente de Angra 1, cujo contrato termina em 2024.

A extensão da vida útil da usina por 20 anos já está discussão com a Comissão Nacional de Energia Nuclear e o Ministério de Minas e Energia, o que será benéfico para o consumidor, porque isso amplia o tempo para incorporação gradual do custo, ponderou o diretor.