José Mauro Coelho renuncia à presidência da Petrobras

Executivo deixa o cargo antes da empresa aprovar o substituto indicado pelo governo federal, Caio Paes de Andrade que deve assumir com a missão de conter aumentos de combustíveis

A pressão que vinha sendo colocada tanto pelo Poder Executivo quanto pelo Legislativo surtiu efeito e José Mauro Coelho pediu demissão do cargo de presidente e de membro do conselho da Petrobras na manhã desta segunda-feira, 20 de junho. Ele já estava de saída do cargo, desde que o acionista controlador, o governo federal indicou Caio Paes de Andrade como o substituto para o cargo de CEO da petroleira.

A mais recente cartada veio do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL) que cobrou a sua demissão em artigo em jornal de grande circulação no país. No foco estão as críticas aos aumentos nos preços de combustíveis da estatal em pleno ano de eleições gerais no Brasil.

Indicações
A empresa enviou comunicado informando que recebeu no dia 15 de junho a indicação de candidatos ao Conselho de Administração por acionistas minoritários ordinaristas, caso seja adotado o sistema do voto múltiplo, para a eleição ao Conselho de Administração, para a Assembleia Geral Extraordinária a ser convocada pela Companhia, ainda sem data definida.

Foram indicados José João Abdalla Filho e Marcelo Gasparino da Silva como candidatos. A empresa apontou que os referidos nomes também estão na lista do acionista controlador, por meio de ofício do Ministério das Minas e Energia. Diante disso, a Companhia solicitou esclarecimentos ao acionista controlador e aos acionistas minoritários a respeito do tema.

Os acionistas minoritários também formularam pedido de adoção do sistema do voto múltiplo na eleição de conselheiros na AGE a ser convocada pela companhia, sendo certo, contudo, que a sua efetiva adoção dependerá da solicitação de acionistas que detenham, no mínimo, 5% das ações ordinárias, o que ainda não ocorreu.

Abdalla Filho é banqueiro, diretor presidente e acionista controlador do Banco Clássico. Ocupa o mesmo cargo na Dinâmica Energia, entre outras empresas. É membro titular do conselho Taesa e da Cemig, além de ser membro suplente de outras empresas.

Marcelo Gasparino da Silva é advogado, Bacharel em Direito pela UFSC, e especialista em administração tributária empresarial pela Escola Superior de Administração e Gerência da Universidade do Estado de Santa Catarina (ESAG). É certificado em fusões e aquisições pela London Business School e em CEO para Executivos Seniores pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Em seu curriculum possui trajetória profissional em companhias dos setores mineração e siderurgia, óleo & gás, petroquímico, logística, geração, transmissão e distribuição de energia, distribuição de gás natural, entre outras indústrias. É membro do Conselho de Administração da Petrobras desde 2021.