Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Eletrobras informou em comunicado ao mercado nesta sexta-feira, 8 de setembro, que concluiu a venda do complexo termelétrico de Candiota para o grupo Âmbar Energia. por R$ 72 milhões. A usina, que é movida a carvão mineral e  tem capacidade de 350 MW, pertencia a subsidiária CGT Eletrosul e fica localizada na cidade gaúcha de mesmo nome. Candiota é responsável por um terço das emissões totais da Eletrobras e, segundo a empresa, sua venda representará mais um passo na direção ao net zero em 2030. A estimativa é que apenas a transação gerará impacto contábil para a companhia, negativo de cerca de R$ 56 milhões no terceiro trimestre deste ano. Em julho, a ex-estatal havia revelado que esperava concluir a venda até o  fim do ano.

Outras duas negociações envolvendo as duas empresas foram divulgadas. Uma foi a compra de 51% da Âmbar Energia em dois ativos de transmissão por R$ 574 milhões nas Sociedades de Propósito Específico Vale do São Bartolomeu e Triângulo Mineiro Transmissora, detidas em conjunto com a Eletrobras. As duas SPEs terão dívida líquida próxima a zero na data esperada da finalização da operação, têm receitas anuais permitidas para o ciclo 2023-2024 de R$ 49 milhões e R$ 53 milhões e concessões até outubro de 2043 e agosto de 2043, respectivamente.

De acordo com a Eletrobras, a negociação é fruto de antecipação com otimização e melhorias dos termos de opção de compra e venda dos ativos. A Âmbar tinha o direito de vender suas participações para Furnas, que por sua vez tinha o direito de comprá-las. A Celgpar tem um período para exercer seu direito de preferência na VSB, conforme acordo de acionistas.

A outra negociação entre Âmbar e Eletrobras diz respeito a opção de compra por R$ 1 de 51% das seis SPEs não operacionais de geração eólica do complexo Baleia, em favor da Brasilventos Energia, que é uma subsidiária integral de Furnas. As SPEs não possuem dívida e são detentoras de direito de recebimento em uma ação de cobrança de indenização securitária. Segundo o comunicado, os valores ainda estão sendo discutidos e deverão beneficiar as duas empresas, uma vez que a compra do ativo pela BVE só ocorreria após a conclusão das discussões e recebimento da seguradora.