Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O Banco Mundial e o Consórcio Nordeste assinaram um memorando de entendimento para o desenvolvimento de projetos relacionados à transição energética, especialmente hidrogênio verde e geração eólica offshore. O documento prevê ainda apoio a eventuais projetos de energia solar, água e saneamento; assim como à infraestrutura pública para expansão da conectividade, o desenvolvimento de plataformas digitais e melhores práticas em segurança cibernética.

A assinatura aconteceu nesta segunda-feira, 25 de setembro, em cerimônia com a presença do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e dos nove governadores da região. Para Silveira, a parceria fortalece políticas públicas já desenvolvidas pelo Governo Federal, que tem trabalhado no desenvolvimento do programa do hidrogênio de baixa emissão de carbono.

O ministro também reforçou que o plano de trabalho do Programa Nacional do Hidrogênio para o triênio 2023-2025 traz perspectivas positivas para o desenvolvimento do energético no Brasil, fazendo com que o país se consolide como o maior e mais competitivo produtor da América Latina até 2035.

O presidente do consórcio e governador da Paraíba, João Azevedo, destacou que o Nordeste será o grande produtor de hidrogênio verde no mundo. Azevedo lembrou que a região já recebe grande volume de investimentos em energia eólica e solar e tem vários empreendimentos de geração dessas fontes programados para entrar nos próximos anos.

O diretor do Banco Mundial para o Brasil, Johannes Zutt, também definiu a parceria assinada hoje como um reflexo do compromisso da instituição em cooperar com o desenvolvimento dos estados nordestinos em transição energética, preservação da Caatinga e desenvolvimento digital.