Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Light informou que realizou na manhã do último domingo, 04 de fevereiro, uma nova etapa das obras de modernização e fortalecimento da rede de abastecimento para a ilhas do Governador e de Paquetá, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Os serviços foram concluídos às 10h05m, quando o fornecimento da Ilha do Governador foi restabelecido.

Durante a manutenção programada, 54% dos clientes da região foram mantidos com energia, por meio de geradores e manobras de rede. O retorno do padrão normal do fornecimento para a região está previsto para ocorrer até o final de fevereiro. Cerca de 240 colaboradores estão trabalhando diariamente, na Ilha do Governador, entre engenheiros, técnicos e profissionais de áreas administrativas para a modernização da infraestrutura da região. Na principal frente de serviços deste domingo, trabalharam 100 profissionais.

Na última sexta-feira, 2, o Tribunal de Justiça acatou o pedido da Defensoria Pública do Rio de Janeiro e deu 24 horas para que a prestação do serviço no bairro fosse restabelecida de energia elétrica. A decisão do TJ-RJ também determinou a apresentação de plano de ação, com cronograma completo e garantia de participação popular e de órgãos públicos nas medidas a serem implementadas.

No contraponto, a Light alega estar investindo R$ 100 milhões para a renovação completa da rede elétrica que atende as ilhas do Governador e de Paquetá, assim como à ampliação da capacidade de distribuição de energia. A empresa investiu cerca de R$ 4 bilhões, nos últimos cinco anos, em manutenção, expansão de rede e combate a perdas. Em 2024, serão R$ 764 milhões.

Segundo a distribuidora, as ilhas do Governador e de Paquetá são abastecidas por uma rede de transmissão subterrânea que passa por baixo da Baía de Guanabara e data dos anos 1970. O plano de recuperação e renovação deste sistema foi iniciado em agosto de 2023. Na Ilha do Governador, as obras foram iniciadas no final do ano passado. As obras acontecem em três principais frentes. A primeira está em fase de conclusão e irá construir uma rede auxiliar, composta por três novos circuitos de distribuição. Desta forma, a Light vai levar mais energia do continente para alimentar diretamente a malha que distribui energia aos clientes.

Até o momento, a concessionária instalou 94 dos cerca de 100 postes previstos e construiu 33 km de rede elétrica de um total de 50 km de cabos de energia. Quando entrarem em operação, os novos circuitos vão minimizar o risco de interrupções e, consequentemente, as devidas condições operacionais para a entrega de um serviço adequado à população, enquanto a empresa realiza a modernização completa do sistema.

Por conta disso, foram implementadas ações para proteger os serviços essenciais à população, por meio da instalação de 95 geradores para instituições que precisam de atendimento especial. Clientes residenciais, que utilizam equipamentos de suporte à vida, cadastrados na rede da Light, também são atendidos pelos geradores. Já a segunda etapa é a construção de uma nova rede de transmissão subterrânea ligando o continente às subestações da região, passando por baixo da Baía de Guanabara. Trata-se de uma infraestrutura totalmente nova, moderna e com maior capacidade. Esse sistema vai entregar à região um atendimento mais robusto.

Há ainda uma frente, também em andamento e com previsão de conclusão até o final de 2025, de renovação da estrutura original que, por ter quase 50 anos, está desgastada e apresentando problemas, segundo a concessionária. Após estudos, a concessionária optou por realizar uma grande reforma na rede que, apesar de complexa, foi considerada o melhor opção.