Eólicas do Complexo Campo Largo são enquadradas no Reidi

MME também enquadrou no regime especial CGHs, usinas solares e projetos de transmissão, além de outros parques eólicos

O Ministério de Minas e Energia aprovou o enquadramento ao Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura de quatro usinas do complexo eólico Campo Largo, localizado no município de Sento Sé, na Bahia. As EOLs Campo Largo III (29,37 MW), Capo Largo IV (29,37 MW), Campo Largo VII (29,37 MW) e Campo Largo XXI (29,7 MW), serão construídas de 1º de agosto de 2016 até 1º de janeiro de 2019. Nas EOLs Campo Largo III, IV e VII, será investido, sem a incidência de impostos, R$ 129,6 milhões cada, e na Campo Largo XXI, um total de R$ 143,3 milhões.

Também foi enquadrado no Reidi o projeto da EOL Ventos do Norte 15 (30 MW), localizada no município de Paulino Neves, no Maranhão. As obras serão executadas durante o período de 1º de setembro de 2015 até 31 de dezembro de 2017. Será gasto, sem a incidência de impostos, um valor de R$ 171,2 milhões. Outra eólica que também foi enquadrada no Reidi foi a EOL Ventos de São Vicente 12 (30 MW), localizada no município de Curral Novo do Piauí, no estado do Piauí. A execução das obras será entre o período de 1º de março de 2017 até 1º de janeiro de 2018, e será gasto, sem a incidência de impostos, um total de R$ 153,5 milhões. 

As CGHs Alegre, em Minas Gerais, Paraíso e Aparecida, ambas em Santa Catarina, também foram enquadradas no Reidi. Na CGH Alegre as obras serão executadas no período de 1º de dezembro de 2015 até 31 de outubro de 2016, e será investido, sem a incidência de impostos, um total de R$ 6 milhões. Na CGH Paraíso, o período das obras será de 1º de junho de 2016 até 31 de maio de 2017, e o valor gasto, sem a incidência de impostos, será de R$ 5,5 milhões. Já na CGH Aparecida, o período das obras será compreendido entre 1º de setembro de 2015 até 31 de março de 2017, e receberá um investimento, sem a incidência de imposto, no valor de R$ 21,5 milhões.

O projeto da UTE São Sepé (8 MW), localizada no município de São Sepé, no Rio Grande do Sul, também foi enquadrado no Reidi. As obras serão executadas no período de 24 de agosto de 2015 até 24 de julho de 2018, e será investido, sem a incidência de impostos, um total de R$ 41,9 milhões. A UTE Assis Brasil (2,22 MW) também foi enquadrada no Reidi. O período de execução das obras será de 1º de junho de 2016 até 10 de dezembro de 2016, e será gasto, sem a incidência de impostos, um total de R$ 1,7 milhões.

Também foi enquadrado no Reidi o Projeto de Reforços na Subestação Bauru, da CTEEP, no município de Bauru, em São Paulo. A execução das obras será compreendida entre o período de 16 de novembro de 2015 até 16 de setembro de 2018, e será investido, sem a incidência de impostos, um total de R$ 135,6 milhões. O projeto de reforços na subestação Figueira, da Copel, no município de Ibaiti, no Paraná, também foi enquadrado no Reidi pelo MME. As obras serão executadas de 30 de março de 2016 até 30 de março de 2018, e será gasto, sem a incidência de impostos, um valor de R$ 4,4 milhões. Outro projeto que também foi enquadrado no Reidi foi o de reforços na subestação Rio Branco I, da Eletronorte, localizado no município de Rio Branco, no Acre. As obras serão executadas no período de 25 de abril de 2016 até 25 de abril de 2018, e será inventido, sem a incidência de impostos, um total de R$ 15,2 milhões. O projeto de Reforços na Subestação Sorriso, de titularidade da Eletronorte, no município de Sorriso, no Mato Grosso, também foi enquadrado no Reidi. O período de execução das obras será de 28 de março de 2016 até 28 de março de 2018, e será investido um total te de R$ 12,6 milhões.

O MME também enquadrou no Reidi os projetos fotovoltaicos UFV Pirapora 10 (30 MW), Pirapora 9 (30 MW), Pirapora 7 (30 MW) e Pirapora 5 (30 MW). As obras serão executadas durante o período de 1º de julho de 2016 até 1º de julho de 2017, e serão investidos, sem a incidência de impostos, em cada uma delas, um total de R$ 139,1 milhões cada. A UFV Malta (27 MW), localizada no município de Malta, na Paraíba, também foi enquadrada no Reidi. O período de execução das obras será de 30 de agosto de 2016 até 1º de agosto de 2017, e será gasto um total de R$ 139,4 milhões. Outro projeto fotovoltaico enquadrado no Reidi foi o da UFV BJL 11 (20 MW), localizado no município de Bom Jesus da Lapa, na Bahia. O período de execução das obras será de 1º de setembro de 2016 até 1º de julho de 2017, e será investido um valor de R$ 79,4 milhões.