Covid-19: Cemig relata dificuldades para entrar em municípios

Contato com prefeituras é realizado para que barreiras intermunicipais liberem técnicos e eletricistas, no intuito de garantir o pleno funcionamento do sistema elétrico; EDP doa R$ 6 milhões para compra de respiradores em SP

Em comunicado na tarde desta quarta-feira, 25 de março, a Cemig afirmou que diversas equipes técnicas têm encontrado dificuldades para chegar até os endereços que precisam ser visitados. É que com a escalada de disseminação do novo Coronavírus em todo estado, diversos municípios estão adotando medidas de fechamento de suas divisas na tentativa de conter a pandemia.

O superintendente de Relacionamento com Clientes da Distribuição, Wantuil Dionisio Teixeira, enfatizou a importância da atuação destes profissionais para a manutenção da energia elétrica que agora, mais do que nunca, é necessária em todos os municípios do estado. Ele reforça que a companhia entende a importância de todas as iniciativas de combate e controle ao contágio, mas que é preciso facilitar o acesso aos técnicos para que sistema esteja apto para atender à população.

“Contamos com a compreensão e apoio das autoridades municipais e das forças de segurança, como a Polícia Militar e Defesa Civil nestas questões de acesso. Nossas equipes são devidamente identificadas, os veículos têm a marca da Cemig e os profissionais estão sempre uniformizados e com os crachás. Não há como confundir. Só chegando aos locais poderemos atuar no sistema elétrico e manter o fornecimento regular”, comenta o superintendente da Cemig.

Teixeira salienta que a empresa já está em contato com as prefeituras, contando com apoio das autoridades dos locais em que o acesso está restrito para que seja liberada a passagem das equipes de manutenção o mais breve possível. “Entendemos a legitimidades dessas ações, mas precisamos estar alinhados para que a população seja beneficiada de todas as formas, tanto no que diz respeito à saúde pública quanto ao atendimento da Cemig”, completa.

Segundo a distribuidora, milhares de profissionais estão nas ruas neste momento trabalhando para garantir a continuidade dos serviços de fornecimento de energia elétrica, considerado essencial, como dos profissionais de saúde, bombeiros e polícia, entre outros. Ademais, sem os benefícios da energia, a vida no presente isolamento social ficaria muito mais difícil.

EDP doa R$ 6 milhões para compra de respiradores

Em São Paulo, a EDP doou R$ 6 milhões à organização social Comunitas para a compra de respiradores, visando atender os leitos das UTIs dos hospitais públicos do estado durante a primeira fase de reforço, que coloca a concessionária como responsável pela doação de 25% de todos os aparelhos necessários para a região.

No total, a Comunitas arrecadou R$ 23,4 milhões com a ajuda de 150 empresas. O montante atribuído à EDP permitiu à entidade atingir sua meta de levantamento de recursos, possibilitando a compra conjunta de 345 respiradores, equipamentos essenciais para a sobrevivência e recuperação de pacientes graves da Covid-19.

Na visão de Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil, a gravidade do momento exige da iniciativa privada uma postura de cooperação com os esforços governamentais e sociais no combate ao novo Coronavírus. “O reforço da capacidade de respiradores nas UTIs de São Paulo é, sem dúvida, uma medida prudente para o enfrentamento desta pandemia numa das maiores áreas metropolitanas da América do Sul”, afirmou.

A iniciativa da multinacional no país se soma aos esforços feitos pela matriz em Portugal. Na semana passada, a companhia anunciou a doação de 50 respiradores, 200 monitores e equipamentos médicos a hospitais portugueses, em ação realizada em conjunto com a China Three Gorges (CTG).

Belo Monte garante operação

Já a geradora Norte Energia, responsável pela Hidrelétrica de Belo Monte, informou que adotou um Plano de Contingência desde o último dia 13 para proteger a saúde dos funcionários e preservar a operação da usina, em linha com o decreto e a Medida Provisória editados pelo governo federal em 20/03, em que estão estabelecidos os serviços essenciais que não podem ser paralisados. No caso, a maior UHE 100% brasileira está com suas 24 turbinas em pleno funcionamento.