Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O ministro das Minas e Energia, Alexandre Silveira, mais uma vez voltou a criticar a gestão da Eletrobras. Na manhã desta terça-feira, 26 de setembro, ele se queixou a jornalista que ficou sabendo pela imprensa da saída da Vice-Presidente Financeira e de Relações com Investidores da Companhia, Elvira Presta, anunciada na manhã de hoje. “Mais uma vez fui surpreendido com a mudança da CFO, em uma demonstração que as crítica que tenho feito da relação da Eletrobras com o Governo o Federal são oportunas e tem fundamento “, revelou o ministro, após o lançamento da Política Nacional de Compartilhamento de Postes, em Brasília (DF).

Para ele, pela representatividade da empresa no setor e pela posição acionária do Governo Federal – em que a União é a maior acionista, com cerca de 40% de participação – o relacionamento deveria ser diferente. Com a privatização, o acordo de acionistas fez com que o direito de voto não ultrapassasse os 10% de participação, o que tirou do governo a influência e participação nas decisões. Desde o começo do governo Lula, há uma ação da Advocacia Geral da União para reverter o acordo.

No apagão de 15 de agosto, durante a coletiva sobre a ocorrência, o ministro já tinha se queixado que não foi comunicado sobre a saída do CEO, Wilson Ferreira Junior.

Distribuição – Silveira disse ainda que já entregou ao Tribunal de Contas da União as diretrizes básicas da renovação das concessões na distribuição. Segundo ele, haverá um ambiente favorável para implementação de políticas de forma mais rápida e eficiente, como a Política Poste Legal.