Adicional das bandeiras deve variar de R$ 1,50 a R$ 6,00 a partir de junho

Novos valores das faixas de acionamento do mecanismo serão aprovados pela Aneel nesta terça-feira, 21 de maio

A Agência Nacional de Energia Elétrica deve aprovar nesta terça-feira, 21 de maio, os novos valores a serem pagos pelo consumidor de acordo com o patamar das Bandeiras Tarifárias. Para a bandeira amarela, o adicional a cada 100 kWh consumidos vai passar de R$ 1,00 para R$ 1,50; na vermelha patamar 1, de R$ 3,00 para R$ 4,00 e na vermelha patamar 2 de R$ 5,00 para R$ 6,00. Os valores propostos constam de nota técnica disponível no site da agência reguladora.

Os novos adicionais das bandeiras serão aplicados a partir de junho desse ano e valerão para o período 2019/2020. A proposta feita por agentes do mercado durante processo de audiência pública previa valores maiores que o sugerido pela área técnica da Aneel: R$ 2,50 a cada 100 kWh para a bandeira amarela, R$ 5,50 para a vermelha 1 e R$ 8,00 para a vermelha 2.

O mecanismo das bandeiras indica mensalmente para o consumidor a melhora ou a piora nas condições de geração de energia elétrica. Se as condições são favoráveis, é acionada a bandeira verde, sem custo para o consumidor. Quando a bandeira for amarela ou vermelha, isso significa que o custo de geração aumentou e ele terá de pagar um valor a mais na conta de luz daquele mês.

Uma novidade na revisão atual das faixas de acionamento é que o mecanismo vai refletir a distribuição uniforme (flat) da garantia física entre os participantes do Mecanismo de Realocação de Energia. Até agora, 55% eram sazonalizados (distribuídos de forma diferente ao longo do ano) e 45% flat.