Autoprodução de energia atinge 21 GW no Brasil

A autoprodução é estratégica para o Brasil, além de contribuir para a matriz elétrica brasileira, reduz emissões e aumentando a competitividade entre as empresas

A Associação Brasileira de Investidores em Autoprodução de Energia (Abiape) informou que a modalidade chegou à marca de 21 GW de potência instalada no Brasil. As 18 associadas da Abiape já somam 10 GW de geração de energia, num portfólio composto por usinas térmicas, hídricas e eólicas. Ao todo, 38 hidrelétricas, 37 termelétricas, oito Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e oito parques eólicos compõem a Abiape.

As associadas são empresas de diversos setores, que investem em energia própria como forma de agregar valor aos produtos e, ao mesmo tempo, ajudar o país a atingir as metas de redução de emissões. O consumo já chega a 6.000 MW médios, o que equivale a 8% do consumo médio brasileiro, informou a Abiape. A autoprodução é uma forma sustentável e competitiva de aliviar a carga do sistema elétrico. Além disso, por contar com investimentos mais voltados às energias renováveis, ajuda a reduzir a emissão de gases causadores de efeito estufa.

O parque gerador associado à Abiape está em expansão: espera-se um incremento de 3.806 MW de energia solar; 1.181 MW de eólicas e mais 200 MW de termelétricas a biomassa. Essa geração será ainda mais relevante para aumentar a confiabilidade do sistema elétrico brasileiro. Também eleva a competitividade da indústria nacional, com ganhos de eficiência, redução de custos e aumento da arrecadação tributária. Conheça um pouco mais sobre a Autoprodução no Brasil e a Abiape aqui.