CPFL Energia inicia operação de Projetos de Armazenamento de Energia

Companhia investe R$ 27,2 milhões para a instalação de baterias em indústrias, estabelecimentos comerciais, residências e usina eólica

Com o objetivo de avaliar os impactos da utilização de baterias no sistema elétrico, da geração até o cliente final, a CPFL Energia colocou em operação os sistemas de armazenamento dos três projetos do programa de Armazenamento de Energia. Essas entregas tiveram investimento de mais de R$27 milhões de um total de R$66 milhões que serão utilizados e que fazem parte do programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Aneel.

A companhia informou que instalou cinco sistemas de armazenamento de energia em baterias de 75kWh a 2MWh de capacidade em uma unidade da rede Graal, em dois condomínios residenciais, em uma subestação de energia e em uma usina do Complexo Eólico Campo dos Ventos, no Rio Grande do Norte, da CPFL Renováveis. Além disso, outras três baterias estão em processo de instalação. E ressaltou ainda que o armazenamento de energia por meio de baterias é uma tendência global, fruto do barateamento da tecnologia e do avanço das usinas eólica e solar. Até 2026, a expectativa é que a capacidade instalada de baterias de grande porte conectadas à rede elétrica alcance em torno 18 mil MW e as de baterias de pequeno porte, de uso doméstico, 16 mil MW.

Na rede Graal, o sistema de armazenamento de energia com baterias de lítio de 200kW/430kWh está integrado a um gerador a diesel e dois eletropostos para a recarga de veículos. Além de avaliar a viabilidade técnica da substituição do gerador a diesel, a aplicação quer promover maior qualidade de energia e redução dos gases de efeito estufa (GEE). A partir dos resultados será possível ampliar o uso dessa tecnologia para outros consumidores industriais.

Na subestação Barão Geraldo, a instalação do sistema de armazenamento em baterias de 1MW/2MWh visa a integração com um alimentador de distribuição, garantindo mais qualidade do fornecimento e um planejamento de médio e longo prazos para obras e expansões na rede. O investimento também busca dar mais robustez à subestação no pico de consumo e permitir uma maior integração de fontes renováveis intermitentes nesta rede.

Também foi instalado um sistema de armazenamento de energia em baterias de 100kW/255kWh em um condomínio com 47 unidades consumidoras, sendo que 27 delas possuem sistema de geração solar fotovoltaica. Como a geração dessas unidades é maior que a demanda, todas as casas são atendidas e o excedente é exportado na rede de distribuição. O sistema de armazenamento instalado no condomínio permite o uso posterior da energia excedente armazenada pelos moradores, realizar controle de tensão local, suavizar o pico de consumo e aliviar o carregamento da rede de distribuição local. Também foi instalado um sistema de armazenamento de 25kW/75kWh em um poste de distribuição de energia (aéreo) com atendimento a um condomínio residencial com geração solar fotovoltaica e outras unidades consumidoras, que tem as mesmas características do sistema acima.

No Complexo Eólico Campo dos Ventos, o sistema de armazenamento em baterias de 1MW/1,29MWh instalado permitirá a otimização da produção de energia renovável intermitente, suavizando a curva de geração. Desse modo, quando houver excedentes de geração o sistema de armazenamento permite acumular energia elétrica para fornecimento quando houver necessidade. Além disso, as equipes realizarão estudos para valoração dos serviços prestados pelos sistemas de armazenamento.